quinta-feira, 27 de novembro de 2008

A geração que veio para ficar

Este blog não é mais atualizado. Veja o novo blog em: www.agileway.com.br

Existem dezenas e dezenas de revistas que abordam o tema da geração Y, a geração de pessoas que está entrando no mercado, desde o início dos anos 2000.

São jovens inquietos, ansiosos, tidos como incapazes de se aprofundarem em assuntos, mas que desenvolveram uma forma totalmente diferente de lidar com problemas e com o dia-a-dia no trabalho.

Nas minhas duas empresas, a antiga e atual, eu tive a oportunidade de trabalhar com essas pessoas e pude notar algumas coisas que gostaria de citar aqui. Só esclarecendo que eu me considero da geração X/Y, ou seja, posso me considerar parte Y e parte X, pois nasci em 1980 a época em que dizem que a geração Y iniciou.

1) A geração Y é ansiosa, sim! É impressionante que, seja num ambiente competitivo (atual) ou num ambiente de menos competitivo (universidade) as pessoas dessa geração são muito ansiosas. Ansiosas por resultados imediatos, ansiosas para pensar, ansiosas para planejar... isso normalmente tende a problemas comuns, como a famosa programação de sistemas via "tentativa e erro" ao invés de parar por alguns minutos e esboçar uma estrutura do que será desenvolvido. Pensar faz bem. Aliás, essa ansiedade a flor da pele me faz pensar que a geração Y tenderá a sofrer de problemas como crise do pânico e ansiedade com uma frequência muito maior. Observem.

2) A geração Y funciona de forma multi-tarefa, e funciona bem! Não adianta, meus amigos. Insistir para uma pessoa dessa geração fazer uma coisa de cada vez é pedir para ter uma pessoa infeliz e improdutiva. Eu me considero até certo ponto um tanto multi-tarefas, mas ainda prefiro tentar me focar em algo. A geração Y consegue falar por mensagem instantânea, ler um texto na internet, ver um vídeo no Youtube e desenvolver um programa AO MESMO TEMPO. E, pasmem: o fazem geralmente com grande qualidade. Já me deparei com desenvolvedores, no meu antigo trabalho, que eu achava que haviam passado o dia inteiro na internet fazendo bobagens, para no final do dia eles me apresentarem o resultado das suas tarefas prontas... e excelentes!

3) A geração Y se motiva e desmotiva com uma velocidade muito maior do que a normal. E é por isso que a grande maioria das empresas está repensando seu planejamento de RH, de forma a garantir que chefes passem a valorizar os bons trabalhos e a corrigir rumos, sem ser rudes demais. Por incrível que pareça, já percebi que a grande maioria das pessoas da geração Y preferem receber um feedback (mesmo que negativo) do que não receber nenhum estímulo.

4) Dinheiro não é tudo para a geração Y. Esse é um dos grandes paradigmas que estão sendo quebrados com essa geração: a visualização de que esses jovens preferem trabalhar em locais onde se sintam valorizados e motivados, do que em locais onde apenas ganhem mais... mas não tenham a valorização que acham que merecem. E aí vem a grande questão: muitos ACHAM que merecem. Neste caso, leia o item 3!

5) A geração Y entra de sola para mudar. Muito devido à ansiedade, os jovens costumam ser bastante inquietos quando a mudanças. Este é um dos principais pontos de conflitos com as demais gerações e é aqui que nós, gerentes e gestores, temos que trabalhar muito bem: ambas as gerações se contrabalançam assim. De um lado, aqueles que normalmente acham que o continuísmo é a melhor solução, e do outro lado, aqueles que acham que a mudança é a solução. Os conflitos e discussões, se bem tratados, levarão a avaliação de diversas situações por ângulos não pensados antes.

Por fim, como tudo na vida, lembre-se: existem os bons e os maus exemplos. A geração Y, com pessoas incapazes, tende a produzir resultados muito ruins... talvez até mais do que com outras gerações. Por outro lado, pessoas responsáveis e tecnicamente capazes serão excelentes exemplares para sua empresa.

Cabe a você conseguir escolher as pessoas certas. Mas tenha a certeza: a geração Y veio para ficar. Jogue conforme as regras do jogo e não contra elas.

Um forte abraço!

4 comentários:

Luiz disse...

Eu já tinha ouvido falar sobre a geração Y e tudo mais. Só não sabia as características.

Após ler, vi que me encaixo perfeitamente como um exemplar da geração Y. :)

Acabei de trocar um emprego seguro por um outro onde o meu trabalho terá uma relação muito grande com pesquisa de novas tecnologias e a diferença salarial foi mínima. Isso tudo por conta da motivação.

Grande abraço.

L1NUX disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
L1NUX disse...

Excelente...

nunca tinha lido algo parecido! Muito interessante mesmo! Eu me encaicho bem na geração Y. Um bom exemplo disso é que fui chamado p/ trabalhar em um dos clientes da minha empresa com valor salarial bem superior e não fui porque lá eu sabia que não ia "aprender" e ter tantos desafios quanto estar na empresa atual!

show de bola!

timanager disse...

Flávio,

Parabéns pelo blog. Sempre que possível estarei aqui para ler seus ótimos artigos.

Bom, sobre o artigo. EU SOU DA GERAÇÃO Y!!

Pela primeira vez vejo alguém que não esteja só criticando a geração Y. Muito se diz que queremos crescer rápido, que não temos paciência para vivenciarmos todas as fases da vida com calma. Que queremos sempre pular etapas e etc...

Assistindo um programa na Ideal TV(TVA), a diretora ou responsável pelo RH disse que não estamos nem ai. Que não pensamos em ficar anos na mesma empresa, que se necessário, ficamos pulando "de galho em galho" até encontrarmos alguma que nos agrade. ISSO É OBVIO!!

Nos preocupamos muito mais com a gente mesmo do que com as empresas, pois para todas as empresas, somos apenas números. Em qualquer probleminha de $$, já saem demitindo sem pensar 2x.

Muitos profissionais da geração Y com certeza gostariam de ficar anos e anos na mesma empresa, desde que estivessemos sempre em desenvolvimento.

No dia em que isso acontecer, as empresas crescerão muito mais, pois mesclando a experiência de alguns com a jovialidade de outros(geração Y), atingirão a produtos/serviços cada vez melhores.

obs: Muitas empresas já estão há algum tempo pensando nisso com planos de carreira, cursos e etc. Normalmente as grandes empresas. Espero que um dia as pequenas e médias enxerguem isso também.

Grande abraço e parabéns pelo blog.