quinta-feira, 27 de dezembro de 2007

Ambiente multi-tarefas..... bom ou ruim?

Salve, senhores e senhoritas ;)

Gostaria hoje de abordar um assunto que TODOS nós, invariavelmente, passamos, já passamos ou iremos passar: a convivência em um ambiente multi-tarefas.

Mas que diabo é isso: ambiente multi-tarefas?

Nos primórdios da computação, o sistema operacional que a grande maioria utilizava era o MS-DOS. Não conhece? Digite "cmd" no seu "executar" do Windows e você verá o DOS simulado :)

A vida era procedural, sequencial, monótona. Não existia a internet ainda... quer dizer, até existia (eu cheguei a usar um sistema de internet que era baseado em "DOS" da UFRGS), lá nos primórdios de 1994-1995.

Se você queria editar um texto, você apenas editava o texto. Se queria jogar, só jogava. Se queria programar, só programava. Se queria usar a internet, só usava um serviço seja de http, gopher - nem sei explicar o que é isso, hoje em dia haha - ou até mesmo chats.

Sim, muitos dirão que em 1994-1995 já existia o Windows. Mas notem que estou contextualizando a coisa! ;)

O Windows veio com o conceito de "multi-tarefas". Agora, se você fosse compilar seu código, você podia ficar jogando paciência, lendo as notícias de algum site jurássico ou então editando algum texto! Era o fim do "nada para fazer". O Windows não foi o primeiro sistema operacional multi-tarefas. Mas foi o que popularizou o conceito.

Agora pensem: a geração de trainees, estagiários e júniores cresceram nessa época. Eu tenho 50% disso no sangue, eu diria. A informação, para eles, se tornou algo banal, de fácil acesso. Criou-se nas empresas, então, o nosso ambiente multi-tarefas!

O ambiente onde todos os funcionários não conseguem se focar em uma coisa só. Eles programam, fazem a leitura das notícias das celebridades, mandam emails, falam no MSN, olham fotos e ainda encontram tempo para conversar com o colega do lado - sobre futebol, trabalho, política e futilidades. Tudo isso em um intervalo de 1 ou 2 minutos!!!!

Notem uma coisa em comum nas atividades citadas acima... 99% delas envolvem INTERNET. Agora vem a questão principal do tópico: a internet no trabalho é prejudicial ou é uma ferramenta poderosa e indispensável?

O meu trabalho é a ilustração caricata e perfeita do céu e o inferno nessa questão. O meu chefe, PhD e de grande capacidade profissional (principalmente técnica) bate o pé em todas as reuniões para que nós cortemos 100% da internet. Usaríamos a Internet, no melhor dos casos, só na fase de concepção/pesquisa do projeto. Depois disso "Unable to connect to host" pra todos!

Eu já sou da ala do "meião", ou seja, a internet É sim uma ferramenta poderosa e imprescindível. Mas ao mesmo tempo é o maior vilão e rouba-tempo que existe no mercado. Então é simples: instala-se um sistema para monitorar e repreender aqueles que abusarem. MSN, por exemplo, pode ser abolido. Podemos usar algum programa tipo o Skype que pouca gente usa para bate-papo, apenas para nos comunicarmos no trabalho (com uma conta de empresa para cada).

O grande "X" da questão disso é que é monitorar apenas não ajuda. Vocês sabem como é o ser humano... não cansa de achar formas para burlar o sistema. Então basta olhar o relatório, identificar os abusos e repreender os envolvidos. De preferência, nas primeiras vezes, de forma pública. Isso inibe o abuso, não tenho dúvidas. E ao mesmo tempo, a Internet fica disponível para o uso do "bem".

Talvez uma forma mais simpática ainda é estipular intervalos para "descanso". Algo como das 16h-16h20 TUDO é liberado para que a pessoa faça o que quiser: bater papo, jogar, etc. É a "hora do descanso". Não sei se existem programas que habilitem isso, mas seria uma forma bem legal também de usar.

O fato é que o ambiente multi-tarefas que existe na maioria das empresas geralmente não é benéfico. No mundo do desenvolvimento de tecnologia é pior ainda, pois a grande maioria das tarefas envolvem grande concentração e raciocínio. Como raciocinar tendo que se preocupar com a resposta da "Fernandinha Gata" no MSN (ainda mais se for uma gata mesmo!) ou na ansiedade em baixar todas as fotos de alguma atriz famosa?

E você, caro leitor, comente sobre suas experiências e seus pensamentos nesse post! Quem sabe algum de nós tem alguma solução bacana para resolver essa difícil equação?

Um grande abraço!

2 comentários:

Sérgio disse...

Flávio, Parabéns pelo seu blog. Acompanho em silêncio desde a primeira postagem e me identifico com muitas das situações que você coloca, justamente porque me encontro mudnado uma pequena empresa também :D .

Já queria postar algo muitas vezes, mas dessa vez você tocou em um ponto que vivo diariamente. O meu sócio querendo matar a internet, e eu tentando chegar a um consenso...Como ex funcionário, eu detesto esse jogo de gato e rato que é o "corte" da internet por parte dos adm de rede e as tentativas de burlar esse "corte" por parte dos funcionários, quase sempre bem sucedidas.

Então resolvi deixar isso de lado e focar na produção. ICQ, MSN, Gmail, Orkut. Deixo isso em cargo da conciência de cada um. Inclusive incentivo um jogo multi-player na empresa, no horário de almoço e depois do expediente. Eu mesmo participo.

Mas antes do final do expediente tem o Dayly Scrum. Então o funcionário sabe que tem que ter feito algo. Ou até no fim do Sprint.Com esse acompanhamento, eu posso verificar a produtividade de cada um. E se a produtividade cair, tenho que intervir. Se não, simplesmente fica como está.

Com isso a idéia é focar na produtividade e o próprio funcionário gerenciar seu tempo, e à vontade, sem ver a empresa como vilã, sentindo-se vigiado e restrito, e ainda tendo um momento de lazer completamente suportado por nós. Numa empresa que te dá condições como essa, um funcionário pensa duas vezes antes de sair. ou de ser mandado embora, como resultado produzindo pra não aconteça. Falo isso pq passei por isso também.

Mais uma vez Parabéns.

--------------------
Sérgio Cavalcante

Anand disse...

Concordo com o Sérgio. Acho que manter sites bloqueados e coisa do tipo é um esforço sem fim e sem recompensa. Para mim, o ideal e liberar tudo, deixar bem claro o que pode e o que não pode (pornagrafia, por exemplo), e aplicar punições quando necessário. Brasileiro tem ainda muito aquilo do trabalho 8 horas por dia, e não do preciso fazer esse trabalho o quanto antes. Medir e recompensar produtividade é o melhor caminho.