quinta-feira, 13 de setembro de 2007

LOST ...

Faz tempo que não assisto LOST, aquela série em que tudo acontece. Vi até o 6º episódio da 3ª temporada. Hoje estive pensando, como meu trabalho está parecido com o ambiente da série.

Na ilha dos bonzinhos (os desenvolvedores) tudo acontece. Eles vivem um dia após o outro, resolvendo problemas uns dos outros. A ilha dos "outros" (a diretoria) é um local de decisões estranhas.

Hoje meu chefe me ligou perguntando (ou melhor, comunicando) da decisão da mudança da equipe para o laboratório. A justificativa é de utilizar o espaço da empresa (uma sala pequena) para a área comercial.

A idéia é bastante inocente e até justa: empresa sem uma área comercial, não vai pra frente.

As variáveis é que não fecham. Senão vejamos:

a) De que adianta eu criar uma metodologia de desenvolvimento, se a diretoria toma medidas radicais, como a mudança do local de trabalho das equipes?

b) De que adianta eu vestir a camisa e abraçar os projetos, assumindo as responsabilidades de um gerente de projetos, se a diretoria toma decisões como esta e apenas me informa?

c) De que adianta eu ter lutado para motivar todos da equipe de desenvolvimento, que estavam com a motivação e o comprometimento lá embaixo, se a diretoria faz questão de mostrar para eles que a empresa vive uma inconstância permanente?

d) De que adianta eu viver gerenciando projetos, se não vejo a diretoria assumir a responsabilidade de focar na criação de produtos e/ou resultados que gerem lucro para a empresa? Temos quase uma dezena de projetos... e não há nenhuma priorização nem foco!

e) De que adianta eles me falarem constantemente que preciso passar para a equipe uma cobrança de empresa, se eles ainda consideram passar essa(s) mesma(s) equipe(s) para o laboratório de pesquisa?

Enfim... listei 5 pontos principais que irei abordar amanhã na reunião em que pretendo colocar alguns assuntos em pauta com a diretoria. O pior é que eu tenho absoluta certeza que eles não tomam essas decisões por mal (pensando em me desrespeitar, por exemplo). Eles confiam em mim. Eles fazem este tipo de coisa por pura ingenuidade: estão completamente por fora do dia-a-dia da empresa.

Engraçado é que eles constantemente me falam que estamos vivendo de um projeto FINEP, que encerra em fevereiro. E quando encerrar, se não tivermos receita de algum produto, a empresa pode fechar. Eles cansam de falar isso pra mim. Mas dai eu me pergunto, sou realmente EU que tenho que ouvir este tipo de coisa?

2 comentários:

Sakurai disse...

Oi Flavio,
muito bom seu blog, espero que continue escrevendo e contando suas historias do dia a dia.
Começei a escrever no meu também sobre um projeto novo que vou gerenciar usando scrum, depois passa lá para dar uma lida:
http://rafaelsakurai.blogspot.com

Falow

Marcus Gregório Serrano disse...

Pois é... eu enfrento um cenário muito parecido, mas numa área bastante diferente (hospital filantrópico). Assim, se servir de consolo (para nós dois) não estamos sozinhos!

A questão é que o Gerenciamento de Projetos é apenas uma pedaço da coisa toda. É transformar planos em resultados. É fazer do Planejamento Estratégico, ações. Vê-se que o GP não tem domínio sobre o negócio, mas sim sobre as AÇÕES a serem executadas. Assim, se não houver metodologia na gestão do NEGÓCIO, tentar gerenciar os projetos vai ser sempre uma tarefa mais ingrata que o usual.

forte abraço!