quarta-feira, 19 de março de 2008

Mudando a atitude de um funcionário de uma forma simples

Dois dos guris que são meus subordinados lá no laboratório são um caso a parte, mas acredito que muito comum em diversas empresas.

Eles entraram para trabalhar em um projeto específico, de controle de acesso (o qual eu não tive contato algum). Após dois meses de trabalho, o prototipo estava pronto e sendo utilizado na entrada do laboratório. Legal.

Infelizmente aí, começou o inferno astral dos dois. Deste segundo mês até hoje (devem ter se passado quase 2 anos) eles ficaram pulando de projeto em projeto, se transformando em verdadeiros "severinos". E pior: 90% dos projetos em que participaram, não deram em nada.

Imagine-se você nessa situação. O que aconteceria com sua auto-estima?

Era notório que eles eram aqueles funcionários "fantasmas". Iam, batiam o ponto, ficavam navegando na internet e iam embora. Claro, recebiam tarefas ordinárias para fazer, do tipo "catalogar os equipamentos", "corrigir um ou outro bug de algum projeto zumbi (aquele que morre e tentam ressussitar)" ou ainda "pesquisar alguma nova tecnologia para outro futuro projeto sem futuro".

São dois guris que eu considero muito bons, apesar de serem dispersivos. Aliás, não vou rotulá-los neste momento, pois talvez a causa dessa dispersão seja exatamente essa: motivação para trabalhar.

Eu os inclui na equipe do próximo projeto de rastreabilidade com RFID. Um na parte do software e outro na parte do hardware. Expliquei que este projeto será de extrema importância e que mesmo tendo a previsão de 3 anos, quero acabá-lo em 1 ano ou menos.

É impressionante como isso mudou a atitude deles. No dia seguinte, um deles veio falar comigo para perguntar onde conseguia a norma ISO que será utilizada para a confecção do harware. Ele queria já começar a ler, mesmo o projeto sendo em maio. Falei que achava que essa norma precisava ser comprada. No outro dia, ele falou que conseguiu a norma com um colega do outro grupo, que já havia a utilizado.

Todo o dia os dois vêm falar comigo sobre o projeto. Já vêm com algumas idéias, perguntam se as equipes estão prontas, esse tipo de coisa. Ainda estão dispersos, é verdade. Realmente o projeto não começou e até lá eles infelizmente terão que continuar como "severinos". Mas apenas a perspectiva de que eles irão participar de um projeto que irá gerar um produto bacana e mais que isso, que poderá vir a ser reconhecido nacionalmente, os fez mudar de ATITUDE.

Isso me fez pensar em quantos funcionários existem por aí na mesma situação. Desmotivados e descompromissados por pura falta de perspectiva. Entram com a promessa de que participarão de um projeto e acabam se tornando "severinos".

E você, leitor? Consegue identificar na sua equipe atual ou anterior pessoas que estejam nessa situação? Conte para nós!

Abraços

2 comentários:

Anônimo disse...

Me sinto um severino em meu trabalho.

Hoje estou alocado em um cliente e vejo que fui esquecido pela empresa em que trabalho.

Quando chamo meu diretor para conversar ele sempre se encontra ocupado e não consegue me atender.

Em alguns momentos chego a acreditar que sou um severino.

Jáder disse...

Flavio, aonde trabalho também passo por tal situação.
Muitas vezes fico como "severino" por falta de um processo de desenvolvimento de software adequado.
Em dezembro fiz um curso do PMI para conheçer a metodologia de gerencia de projetos, que particularmente quero seguir na profissão de gerente de projetos, mas voltando, nem tudo são flores, fiz o curso e então cheguei aos meus superiores para então tentar a implantação da gerencia de projetos e também uma metodologia de desenvolvimento de software.
Logo a resposta foi de cara um NÃO, com direito até boca cheira ;-)
No momento estou em um "projeto" de software que não tem nem planejamento, tento me organizar o tempo todo, por não saber das regras de negócio e um tanto esquecido pelos meus superiores.
Mas vou parando por aqui que esse "projeto" que tem por sobrenome a falha é uma outra história.

Grande abraço pelo conteúdo do blog, sempre acompanho seus posts.